Chocolate branco

Nossa. Tempão que não postava aqui. Mas já viu, né? Vida de universitário… quando não tá fazendo trabalho, tá bebendo se tiver grana. E se não tiver, tudo bem… bebe por conta da “galerinha da facul” e tá tudo resolvido. Ou seja, tava sem tempo de postar aqui. Seja por trabalho de metodologia ou por beber Antárctica porque a Brahma já tá muito cara e a gente quer quantidade e não qualidade (no merchandising, but I’m accepting payments).

Enfim. Foi numa tarde chuvosa de sexta-feira, estava eu calmamente subindo no ônibus, acabara de sair do boteco pós-aula e estava indo pra casa, quando tudo começou.

O ônibus estava relativamente vazio. Apesar de “relativamente vazio” para espaços físicos públicos do Brasil ser entendido como o último grau antes de definir “lotado”, neste caso, trabalhamos com seu conceito denotativo literal. Se tinha meia dúzia de gatos pingados era muito (até porque, não são permitidos animais em veículos de transporte público).

Passei da roleta e fui procurando um banco vazio pra eu sentar. Aliás, procurar é uma palavra exagerada neste caso. Escolher. Escolhi um banco vazio. Como gosto de sentar no fundo [DO ÔNIBUS] fui pra lá. Lá sentei, tirei o celular pra avisar aqui em casa que já estava a caminho (é, eu não estava bêbado).

Mais ou menos a 2 bancos na frente, havia 2 moças, bonitas por sinal, que eram negras. Na hora que eu passava pelo corredor, senti que uma me acompanhou atentamente com os olhos, mas ignorei (podendo eu? imagiiiiiiiiinaaaa…)*.

*Só um adendo aqui. Tipo, não é que estou podendo, mas é que por experiências passadas – e frustradas -, eu nunca confiei nessa minha percepção. Sempre que acho que alguém tá me paquerando significa, na verdae, que não necessariamente. E quando acho que não tá quer dizer o contrário. O foda é que eu nunca acho que não tá. ¬¬’

Voltando ao ônibus. Bom, como disse, ignorei, sentei, mexi no celular (não necessariamente nessa ordem). Quando terminei de ligar pra casa, decidi apagar algumas mensagens do celular (eu sempre esqueço… não que eu receba muitas, mas vou deixando acumular, sei lá por quê) quando eu escuto uma das moças da frente virar pra outra e dizer:

– Fulana (não lembro os nomes), você viu aquele GA-TI-NHO que acabou de passar aqui?

*Pedro se pergunta se é ele consigo mesmo*

– Não! Cadê?

– Ali ó! No fundo… mexendo no celular.

*Pedro tem a resposta de sua pergunta e esboça um sorriso envaidecido*

– Hummm…

– Celular bacana… tem cara de ser rico. Gato e rico. É disso que eu preciso!

*Pedro fala consigo: “mulher só pensa nisso mesmo!”. Mas continua com a auto-estima lá em cima*

– É… tem razão! Deve tá pegando busão porque o carro deve de estar na oficina…

*Pedro repete sua ação acima, com um pouco mais de ênfase na primeira parte.*

– Ai ai… fala se você num queria um desses pra você também?

*Pedro começa a se achar O galã. Tenta bolar algo na sua cabeça pra agradar suas fãs: um retrato autografado? Um jantar a luz de velas com uma ganhadora do concurso “Quero uma chance com Pedro Costa”? Aiii! Tantas idéias! Tantas, tantas, tantas!*

– Olha… até que eu queria… mas há um pequeno problema…

– Qual?

*Pedro: Qual????????????!!!!!!!!!!!!!!!!!*

– Não curto chocolate branco!

*Pedro de chocolate branco passa a ficar roxo. De raiva e vergonha! Hmmm.. mas será que ela curte bombom de uva?*

Anúncios

Notícia de última hora

Assim que terminei o post anterior, dizendo que meu time foi eliminado, que num sei o quê, blábláblá whyskas sachet blábláblá, meu pai vem e me liga dizendo que ele se classificou, para o ano que vem, pra série C, ou seja, nada de série D.

UHUUUUUUUUUUUUUUUUUUUL!!!!!!!!!!!!!!!

Mas, amanhã eu prometo que irei analisar os outros times.

Futebol (1ª parte)

Todo mundo sabe que eu sofro para o América-MG. Pois então, meu time foi eliminado da Série C do Campeonato Brasileiro e, quiçá, ficará de fora da Série D do ano que vem.

Na boa… torcer prum time desses é difícil. Então, resolvi pensar nos times que eu poderia escolher pra torcer.

Solta o VT:

Cruzeiro


O famoso time das Marias. Mas, também, o time mineiro mais bem sucedido dos últimos tempos. Em um espaço de 10 anos, conquistou Libertadores, Campeonato Brasileiro e Mineiro, Copa do Brasil e um bar GLS temático. É… prefiro ser torcedor de time de série D do que ser viado! (Sem qualquer tipo de preconceito)

Atlético-MG
O Galo é um time bacana. Mas a foto já diz tudo. A situação não tá pior que a do meu Coelhão só porque eles tão na série A. Mas, com esse time que eles montaram, em pleno ano do centenário, tá dureza. Quem sabe ano que vem.

Ipatinga

Você quis dizer:
nada

Na boa, só pelo que o google falou, nem precisa de comentários, né!

CONTINUA NO PRÓXIMO CAPÍTULO…

Publicidade

Então. Sexta-feira de noite em frente ao computador. Não, não é porque estou sem nada pra fazer, nem é por falta de grana. É porque amanhã vou ter um programão e apesar de não estar abaixo da linha da pobreza, melhor economizar hoje pra fartura de amanhã.

Nada pra fazer, sobrou este blog que, estava um tempinho sem ser atualizado.

Nada pra fazer [2], sobrou minha cabeça vazia transformar-se em oficina do diabo: da publicidade.

Ok ok… não me venham jogar pedras! Eu sei que faço jornalismo, estou convicto de que estou no curso certo e blábláblá whyskas sachet blábláblá. O fato é: baixou a alma publicitária em mim.

COMUNISTAS: ATIRAIS AS PRIMEIRAS PEDRAS EM MIM, POIS VÓS SABEIS QUE SEMPRE PREGUEI O DISCURSO COMUNISTA, MAS AGORA, COMO SE JÁ NÃO BASTASSE A MINHA NEGAÇÃO EM VOTAR PARA A CANDIDATA DO PC do B, ESTOU A DISSEMINAR O MECANISMO MAIS CRUEL E MALÉVOLO DOS PORCOS CAPITALISTAS… A PROPAGANDA!

Após este discurso, eis os meus slogans criados:

1) DJ Saddam: este faz sua festa bombar!

2) Olhos: indispensáveis para quem tem visão!

3) Bolívia: procuras La Paz? Estás no local correcto!

4) Sucos Axé: Poeeeeeeeeeiraaaaaaaa! Poeeeeeeeeeeeeeiraaaaa! Levantou poeiraaaaaa!

5) Pomadas Ivete: passou, ficou Semgalo!

6) Motel No Stress: nervoso com seu patrão? Mande-o se foder aqui!

7) Clínica de Urologia: tá sem saco? Venha para cá!

8) Casas Bahia: onde até a Joana é mainha!

9) Cansado das outras cervejas? Beba Cintra e CINTRA toda a diferença!

10) Lojas Hiroshima-Nagasaki: ofertas que são um estouro e irão arrasar a concorrência!

Tá de cara nova?

Pois é. Não, relaxa. Eu sei que você percebeu que mudei o nome do blog há pouco tempo. Mudei o layout também. Mais claro, mais bonito, mais fácil de ler.

E não seja hipócrita, porque você não acompanha porra nenhuma aqui. ¬¬’

Carteira de identidade

Eu sei. To ligado que faz tempão que nem posto aqui. Mas lembrem-se, eu estava em LA. Pois é… voltei… deu muito certo não… muito ciumenta ela.

Mas enfim, não foi pra falar dela que vim postar aqui. Foi pra contar os acontecidos de ontem.

Bom, to fazendo auto escola e pá. E tem que fazer aquelas bagaça do tipo psicotécnico, exame médico e afins. Até aí tudo bem. O problema é que já estou com 29 aulas (são 30 na legislação) e não fiz exame nenhum! Tudo por culpa da minha identidade “infantil”. E a galera do Detran não aceita carteiras mirins.

Infantil? Ok… eu tinha uns 12, 13 anos na foto. Mas tirando a barba, eu to com a mesma cara, poxa! Mas nããããooooo… o Pedro tinha que pagar NOVE REAIS E SEIS CENTAVOS para arrumar uma carteira nova.

Fui, né. Aí minha mãe levou meu irmão junto pra tirar a dele também.

Estacionamos o carro bem longe do lugar pra tirar a carteira. Detalhe: o tal lugar era uma delegacia da polícia civil. Beleeeezaaa. Passando por uma lanchonete, uma rapariga muito bem apessoada por sinal me acompanha com os olhos. Pronto. Foi o suficiente pra minha mãe ficar me enchendo o saco pela semana inteira. “Ahhhh meu filhinho arrasando corações”. Ninguém merece.

Achando que já não tinha como piorar, na hora de tirar minhas digitais, TRÊS mulheres (todas no máximo com 23 anos) vieram ávidas na minha direção para tirarem minhas digitais. Olhei pra minha mãe. Ela me lançou o olhar “De novo, meu galãzinho?”. Putz… por que ela tinha que ter ido comigo, hein????!!!!

Novamente, achando que já não tinha como piorar, deu zezé nas digitais. Tive que voltar lá. Uma ruivinha muito simpática, logo que me avistou adentrando a porta novamente, prontamentte abriu um largo sorriso, aproximou-se de mim, desabotoando a camisa e em tom malicioso indagou:

– Quer fazer um sexo salvagem comigo?

Tá. Não bem assim. Quando ela me viu adentrando a porta novamente, prontamente abriu um largo sorriso, aproximou-se de mim e indagou:

– Novas digitais?

– Claro! To querendo ter créditos aqui – respondi em tom jocoso.

Ela riu e foi para o canto. Percebi que tinha tipo uma mini-platéia cochichando e olhando “diretamente” de rabo-de-olho pra mim. Risadinhas e tal. E a tal ruivinha, meio sem jeito, mas, de certa forma, feliz e contente.

Enquanto esperava meu irmão ser chamado pra voltar a tirar as digitais, uma espécie de chefe das “tiradoras de digitais” olhou pra mim com espanto e perguntou que diabos eu fazia ali. Eu já achando que ela ia me xingar e tal, antes de eu esboçar qualquer tipo de resposta, ela emendou:

– Tá aqui pra paquerar as meninas, né!

Sem minha mãe por perto, prontamente respondi, rindo:

– Uai! Como você adivinhou meu pensamento?

Aí a tia aponta pra ruivinha e com um piscar de olhos, ela fala:

-Aí, viu?

A ruivinha perdeu a cor do cabelo. Toda tinta (é… ela não é ruiva de verdade ¬¬’) do cabelo desceu pro seu corpo e ela ficou olhando pra baixo rindo. A mini-platéia também foi contagiada pelo vazamento de tinta. Comigo não foi diferente. Só que eu fiquei meio… ROXO!

Ahhh mas não há problema! Quinta eu vou pegar a carteira! Pena. Espero que eu tenha que tirar uma 3ª via. =D